Multiplicação de talentos

Estou eu aqui a furungar na minha papelada e encontrei meus estudos diletantes sobre gestão. Deparei-me com a entrevista do Carlos Alberto Sicupira na Exame, edição 964.
Algumas pinceladas:
“Na formação de gente, o que é inato e o que se pode ensinar?
Ensinar vontade é muito difícil. É uma característica inata, da mesma forma que você pode nascer com olho verde ou azul. A Endeavor, por exemplo, não tenta transformar ninguém em empreendedor. A ideia é mostrar a um empreendedor que ele pode fazer um negócio muito maior do que estava pensando. A gente tem de alavancar a vontade que a pessoa tem. Disciplina dá para ensinar. O que uma pessoa tem de saber? Não tem de saber nada. As pessoas valem pelo que elas são capazes de fazer, e não por aquilo que elas conhecem. Algumas pessoas sabem tudo, mas não conseguem transformar isso em nada.
Quanto tempo o senhor se dedicou a formar gente durante toda a vida?
A vida toda. Só faço isso. Gente é a pedra fundamental de tudo. A melhor ideia, sem gente boa, não vai a lugar algum. A execução não vai ser boa e também vai parar de aparecer ideia boa. O pilar básico de tudo é: gente boa, unida por um sonho comum, reconhecida e com oportunidade de crescer.
A valorização das pessoas é um daqueles discursos corporativos que muitas vezes se perdem entre outras prioridades. Na correria para entregar resultados, dá tempo de realmente se preocupar com as pessoas?
É o contrário. Você se preocupa com as pessoas e as pessoas vão transformar o resultado. Se você se preocupar com o resultado, e não com as pessoas, o resultado vai acontecer uma vez só. Se for diferente, você tem uma perpetuação de resultado. Durante o ano inteiro, eu não pergunto a ninguém sobre o resultado. Minha preocupação é como eu posso ajudá-los a fazer isso acontecer.”
Para ler na íntegra, clique aqui .
Também vale ler essa matéria sobre o Sicupira, Jorge Paulo Lemann e Marcel Telles, empresários dedicados a multiplicar talentos.
E que tal essa matéria sobre a marca de roupas Morena Rosa? Olha a chamada: “O paulista Marco Franzato trabalhou em fazendas até a adolescência. Com o dinheiro de um Monza usado fez a Morena Rosa, uma das marcas de roupas femininas que mais crescem no país”.
Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s