O chique agora é comer em casa

Estava lendo a coluna da Mariana Kalil no caderno Donna da Zero Hora do último domingo, e ela estava contando sobre as férias em Punta del Este.

Em verdade, estava falando que por causa da cotação entre o dólar e o real o número de turistas brasileiros caiu 24%, segundo o Ministério do Turismo uruguaio. E que o preço dos restaurantes da região se tornou inviável para os brasileiros, desafiando que as refeições fossem feitas em casa.
Ela diz que nunca foi habilidosa com as panelas e os temperos e até ceviche aprendeu a fazer.
Então ela cita Nina Horta, crítica gastronômica, que afirma que chique agora é cozinhar e comer em casa:
“Para saber o que está na moda, primeiro você tem que botar a mão no bolso. Para saber o que é chique tem que saber antes qual é a quantidade de dinheiro que você tem. Quase ninguém hoje em dia está com um tostão no bolso. Então, o chique agora é cozinhar e comer em casa”.
Fiquei refletindo sobre isso em relação a mim. Nunca tive afinidade com a cozinha. Durante toda a minha vida adulta ou eu comia fora, ou comia algo pronto ou de tele entrega. Até que o Theodoro chegou aqui em casa.
Desde que meu cachorrinho chegou, almoço em casa todos os dias, pra poder ficar perto dele um pouco mais de tempo durante o dia. Tenho o privilégio de morar perto do trabalho, o que viabiliza isso. 
E quando mudei a minha disposição se tornou possível lidar com as panelas.
Não, não me tornei chef. Mas aprendi a fazer comidas básicas, aprendi a apreciar a minha própria comida, aprendi a ter satisfação em tomar ingredientes e transformá-los em algo novo.
Ainda não me considero apta a cozinhar para os amigos. Porém, nas férias cozinhei para a minha família durante vários dias, e foi muito bom.
Sim, o meu bolso agradeceu muito essa mudança no meu cotidiano; principalmente depois que a crise realmente se instalou no Brasil.
Nunca pensei se isso é chique ou não. Meu objetivo sempre foi o de ficar mais perto do meu filhotinho.
Já falei em outro post que ele é uma benção na minha vida, e de como o Senhor é criativo no que Ele usa pra trabalhar em mim. Que ainda acabou sendo chique, kkkk…
Anúncios

Gideão, o que não quis ser rei; ou sabendo reconhecer os limites do nosso chamado

A Palavra nos ensina, em Juízes 6, 11-16, a respeito do chamamento de Gideão:

11 Então, veio o Anjo do SENHOR, e assentou-se debaixo do carvalho que está em Ofra, que pertencia a Joás, abiezrita; e Gideão, seu filho, estava malhando o trigo no lagar, para o pôr a salvo dos midianitas.
12 Então, o Anjo do SENHOR lhe apareceu e lhe disse: O SENHOR é contigo, homem valente.
13 Respondeu-lhe Gideão: Ai, senhor meu! Se o SENHOR é conosco, por que nos sobreveio tudo isto? E que é feito de todas as suas maravilhas que nossos pais nos contaram, dizendo: Não nos fez o SENHOR subir do Egito? Porém, agora, o SENHOR nos desamparou e nos entregou nas mãos dos midianitas.
14 Então, se virou o SENHOR para ele e disse: Vai nessa tua força e livra Israel da mão dos midianitas; porventura, não te enviei eu?
15 E ele lhe disse: Ai, Senhor meu! Com que livrarei Israel? Eis que a minha família é a mais pobre em Manassés, e eu, o menor na casa de meu pai.
16 Tornou-lhe o SENHOR: Já que eu estou contigo, ferirás os midianitas como se fossem um só homem.
E então Gideão destrói o altar de Baal, e com trezentos homens vence os midianitas, povo que estava subjugando o povo de Israel.
A Bíblia ainda menciona, a respeito de Gideão (capítulos 6 e 7 de Juízes):
34 Então, o Espírito do Senhor revestiu a Gideão, o qual tocou a rebate, e os abiezritas se ajuntaram após dele.
9 Sucedeu que naquela mesma noite, o Senhor lhe disse: Levanta-te e desce contra o arraial, porque o entreguei nas tuas mãos.
E, de fato, o Senhor entregou o arraial dos midianitas a Gideão.
Assim, o povo de Israel, sedento que estava de líderes, pede para Gideão governá-lo (Juízes 8:22):
Então, os homens de Israel disseram a Gideão: Domina sobre nós, tanto tu como teu filho e o filho do teu filho, porque nos livraste do poder dos midianitas.
No entanto, Gideão recusa a deferência (versículo 23):
Porém, Gideão lhes disse: Não dominarei sobre vós, nem tampouco meu filho dominará sobre vós; o Senhor vos dominará”.
E embora a Palavra nos diga, alguns versículos adiante, que Gideão fez uma estola sacerdotal proveniente de argolas de ouro, a qual acabou se tornando um laço para ele, o fato é que os trechos acima demonstram que Gideão estava bem resolvido com os limites do seu chamado.
Gideão poderia muito bem se estabelecer como o rei de Israel; e garantir essa posição também para seus descendentes. 
De fato, para o homem natural essa é uma situação tentadora…
No entanto, Gideão soube discernir que o Senhor o havia chamado – pelo menos até então – para pelejar e derrotar os midianitas, libertando o povo de seu jugo. Gideão teve a compreensão de que estava sendo usado como um instrumento para que o Senhor concretizasse seus planos.
E isso nos leva a um importante ponto: o de saber reconhecer os limites do nosso chamado.
E esse limite vale não só para o nosso papel na obra, como também em relação  à nossa atuação nas mais diferentes áreas. No trabalho, na família, no relacionamento conjugal, relacionamento entre amigos.
Porém, é claro que isso mais se evidencia em relação à obra, por conta do contexto.
Em 1 Coríntios 12 lemos:
4 Ora, os dons são diversos, mas o Espírito é o mesmo.
5 E também há diversidade nos serviços, mas o Senhor é o mesmo.
6 E há diversidade nas realizações, mas o mesmo Deus é quem opera tudo em todos.
7 A manifestação do Espírito é concedida a cada um visando a um fim proveitoso.
8 Porque a um é dada, mediante o Espírito, a palavra da sabedoria; e a outro, segundo o mesmo Espírito, a palavra do conhecimento;
9 a outro, no mesmo Espírito, a fé; e a outro, no mesmo Espírito, dons de curar;
10 a outro, operações de milagres; a outro, profecia; a outro, discernimento de espíritos; a um, variedade de línguas; e a outro, capacidade para interpretá-las.
11 Mas um só e o mesmo Espírito realiza todas estas coisas, distribuindo-as, como lhe apraz, a cada um, individualmente.
12 Porque, assim como o corpo é um e tem muitos membros, e todos os membros, sendo muitos, constituem um só corpo, assim também com respeito a Cristo.
13 Pois, em um só Espírito, todos nós fomos batizados em um corpo, quer judeus, quer gregos, quer escravos, quer livres. E a todos nós foi dado beber de um só Espírito.
14 Porque também o corpo não é um só membro, mas muitos.
15 Se disser o pé: Porque não sou mão, não sou do corpo; nem por isso deixa de ser do corpo.
16 Se o ouvido disser: Porque não sou olho, não sou do corpo; nem por isso deixa de o ser.
17 Se todo o corpo fosse olho, onde estaria o ouvido? Se todo fosse ouvido, onde, o olfato?
18 Mas Deus dispôs os membros, colocando cada um deles no corpo, como lhe aprouve.
19 Se todos, porém, fossem um só membro, onde estaria o corpo?
20 O certo é que há muitos membros, mas um só corpo.
21 Não podem os olhos dizer à mão: Não precisamos de ti; nem ainda a cabeça, aos pés: Não preciso de vós.
22 Pelo contrário, os membros do corpo que parecem ser mais fracos são necessários;
23 e os que nos parecem menos dignos no corpo, a estes damos muito maior honra; também os que em nós não são decorosos revestimos de especial honra.
24 Mas os nossos membros nobres não têm necessidade disso. Contudo, Deus coordenou o corpo, concedendo muito mais honra àquilo que menos tinha,
25 para que não haja divisão no corpo; pelo contrário, cooperem os membros, com igual cuidado, em favor uns dos outros.
26 De maneira que, se um membro sofre, todos sofrem com ele; e, se um deles é honrado, com ele todos se regozijam.
27 Ora, vós sois corpo de Cristo; e, individualmente, membros desse corpo.
28 A uns estabeleceu Deus na igreja, primeiramente, apóstolos; em segundo lugar, profetas; em terceiro lugar, mestres; depois, operadores de milagres; depois, dons de curar, socorros, governos, variedades de línguas.
29 Porventura, são todos apóstolos? Ou, todos profetas? São todos mestres? Ou, operadores de milagres?
30 Têm todos dons de curar? Falam todos em outras línguas? Interpretam-nas todos?
É fundamental buscarmos discernir qual é o papel que o Senhor nos reservou; assim como é fundamental a partir daí compreender, respeitar e cumprir os limites que Ele estabeleceu. No melhor estilo Gideão. Porque o Senhor só nos revestirá de força e nos capacitará para cumprir aquilo para o que fomos chamados.

Twinings de camomila, hortelã e capim limão

Tenho instamigos que só conheço virtualmente. E foi uma de minhas amigas virtuais, a Marjie, que me deixou com água na boca ao postar essa foto:

Vai dizer que essa foto não dá um ar de aconchego, de acalanto? Vai dizer que não dá vontade de ir correndo preparar um chá?
Sempre fui do chá, e agora ando numa fase de bebericar uma chávena antes de dormir, enquanto leio. Já virou uma espécie de ritual. É uma boa forma de me acalmar da pressão e loucura do dia.

Demorei um tempo pra encontrá-lo, mas agora já chegou no Zaffari.
Essa é a minha foto:

Não chega nem perto da outra (kkkk), mas pelo horário em que foi tirada, dá pra dizer que está excelente (kkkk).
É uma delícia essa misturinha de camomila, hortelã e capim limão. Já entrou para os meus favoritos, junto com o de limão e o de hortelã pura.
Obrigada, amiga!!!

Passeio de trem no Paraná

Fui muito a Curitiba durante algum tempo, por conta do trabalho.

Foi assim que fiquei sabendo sobre o passeio de trem entre Curitiba e Morretes.
Fiz o passeio no ano passado, e desde então estou para fazer um post a respeito.
O passeio pode ser feito tanto em um trem comum quanto de litorina, que é uma versão de luxo.

Nessa versão do passeio de luxo uma van te apanha no hotel, às oito da manhã, para te levar à estação.
A estação conta com o escritório da administração da empresa proprietária dos trens, uma miniatura de uma ferrovia, uma lojinha com souvenirs do passeio e de Curitiba, banca de revista, banheiros.

O Presidente da empresa, Sr. Adonai, estava na estação, recebendo os clientes.
Ele é quem nos conta que há vinte e três trens de luxo no mundo, e dentre os três melhores está a litorina onde iríamos fazer o passeio.
Quando a porta para o acesso aos trens se abre, há um tapete vermelho para lhe dar as boas vindas e entrar na litorina. Os assentos são marcados. Há um lugar individual, há para duplas, trios e quartetos. 
Você é recebido com uma taça de espumante, e a bebida liberada durante todo o trajeto está incluída no valor pago. Sucos, refrigerantes, água, espumante, cerveja…

O interior do trem é decorado luxuosamente e com bom gosto, com bonitas telas, poltronas, sofás, mesinhas e luminárias. Música de qualidade tocando ao fundo. Me senti no vagão de luxo do trem de Downton Abbey.





Quando o passeio começa é servido o café da manhã. Croissant com presunto e queijo, suco, tortinha de limão.


A equipe de bordo é composta de um maquinista, um segurança e duas comissárias; elas têm formação superior e são as guias de turismo nas nossas paradas posteriores.


O trem vai passando pelos subúrbios de Curitiba até atingir uma paisagem mais rural e depois segue pelo meio da mata. Às vezes se passa por algumas quedas d’águas. E é feita uma pausa em um mirante. Todas as pessoas pelas quais passamos abanam para os viajantes.



Diz que o trajeto leva umas três horas, mas como ocorreram alguns problemas na linha férrea no dia em que fui, levou muito mais.
O destino final é Morretes, onde se come o barreado, comida típica paranaense, no restaurante da própria empresa proprietária dos trens. Também incluído no preço do passeio.
O barreado é o resultado final do cozimento lento e constante de carnes de segunda em panela de barro durante longo tempo, e depois misturadas à farinha de mandioca. Esse cozido é servido com arroz e banana.
Após, é tempo de dar uma olhada na cidadezinha, no artesanato e no comércio local. Cidade típica de interior, muito gostosa essa parte do passeio.
O retorno é feito de van. No caminho também se para em Antonina, outra cidadezinha típica de interior, pequena e agradável.
A van me deixou de volta no hotel às 18 horas. Porém, como disse, meu passeio levou mais tempo do que o normal.
Foi muito bacana e aprazível. Conjuga passeio de trem – de luxo -, o conforto de ser apanhado e levado de volta ao hotel, a experiência de comer uma comida típica do Paraná e conhecer um pouco mais de suas cidades do interior.
Quem faz esse passeio e a Serra Verde Express, Instagram @serraverdeexpress. Acertei tudo por e-mail, o qual retirei do site da empresa.
Paguei um pouco mais de R$ 300,00; um preço bem justo para tudo o que está incluído. É um passeio bem diferenciado, e a educação do pessoal da empresa faz toda a diferença.
Acabei de ver no site que está R$ 366,00. Maiores informações no http://www.serraverdeexpress.com.br .

Airbnb e a hacienda La Lirica

Quando fomos a Colonia del Sacramento, no Uruguai, resolvi testar o Airbnb para locar um lugar pra ficarmos.

Já havia lido algo sobre o serviço; mas havia sido negativo, uma reclamação numa coluna de revista de viagens, feita por um usuário insatisfeito.
Porém, os altos preços das acomodações nos hotéis de Colonia e a pouca disponibilidade de vagas me fizeram decidir tentar.
Baixei o aplicativo no iPhone e fiz tudo por ali, a pesquisa, a seleção e os trâmites.
É necessário criar um usuário e uma senha, e facilita se o cadastro estiver pronto antes de locar o imóvel.
Há oferta de vários em Colonia, tanto na cidade como nos arredores.
Acabei optando pela hacienda La Lirica, porque me apaixonei pelas fotos do lugar, pela atmosfera de campo, e tudo a dez minutos do centro da cidade.

Fiz a reserva e o locador entrou em contato comigo por email, via aplicativo. Tanto para aceitar a locação quanto para acertar detalhes.
Fomos conversando ao longo dos dias, sempre por email. Trocamos telefones, para o caso de alguma necessidade de urgência, combinamos um lugar onde pegaríamos as chaves e nunca nos encontramos. E deu tudo super certo.
O lugar é incrível. Uma casa muito agradável, com três quartos, banheiro, sala, sala de jantar e cozinha integradas. E uma maravilhosa área externa, com muito verde, campo, um tanque australiano (piscina) e área pra churrasco. Foram dias idílicos.

Uma das coisas de que mais gostamos: a casa tem dois mascotes, dois gatinhos muito amorosos. E ração disponível para alimentá-los. Pra minha família, que ama gatos, foi ótimo. 

Outro item que facilita muito a vida: atrás das portas de entrada da casa estavam todas as instruções e informações necessárias.
Então nossa experiência foi excelente e agradável. 
No retorno você também recebe um e-mail para que avalie publicamente o local onde ficou, que ficará disponível no site e aplicativo do Airbnb. E para que mande uma mensagem privada para o seu anfitrião. E o seu anfitrião também faz o processo inverso a seu respeito, para que outros locadores de futuros imóveis que você queira locar possam ver essa avaliação a seu respeito.

Não tenho nada para reclamar do aplicativo; pelo contrário, foi ótimo e muito útil.

Apenas esteja atento, porque embora o pagamento não seja efetuado ao locador quando da reserva, o valor da locação é debitado imediatamente do seu cartão de crédito. 

Uma última dica: antes de fechar o negócio leia o depoimento de outros hóspedes que já estiveram no imóvel. Certamente um imóvel que tenha mais depoimentos positivos de hóspedes anteriores é mais confiável.

Jogo de Damas – O Poder da Rede

Nesse final de semana aconteceu em Porto Alegre mais um evento do Jogo de Damas. O tema dessa edição foi O Poder da Rede.

O Jogo de Damas é um projeto voltado para mulheres, e tem por foco empreendedorismo, carreira e negócios.
Esse foi o primeiro evento de que participei, e não me lembro como tomei conhecimento do Jogo de Damas. Foi na rede…
É interessantíssimo, porque promove o networking entre as participantes, como também com os expositores de produtos e serviços; além de promover o conhecimento, o autoconhecimento e a reflexão por meio de palestras e bate papos com pessoal super selecionado. Tudo embalado pelo sorteio de muitos mimos ao longo das duas tardes de duração.

O tema dessa edição não poderia ser mais atual, o Poder da Rede, em tempos em que estamos todos conectados pessoal e virtualmente. Ali mesmo fiz três boas amigas. E uma delas já conhecia outra amiga minha. E também conhecia uma amiga de outra amiga do nosso quarteto. 

A nossa rede de relacionamentos tem alto impacto em nossos projetos pessoais e profissionais, em nossas empresas e nossas carreiras, e precisamos parar para refletir sobre isso.
Essas reuniões também são ótimas para tomarmos conhecimento daquilo que está aí, no dia a dia dos negócios, como o Love Mondays, plataforma em que os funcionários elogiam ou criticam as empresas onde trabalham, bem como divulgam os níveis salariais. Ou para aprendermos a usar da melhor maneira os recursos que temos à disposição, como a palestra sobre o LinkedIn.

Tudo foi muito bem organizado, desde o credenciamento, onde recebíamos crachá, número para o sorteio e uma sacola com folders de todos os apoiadores + bloco e caneta + bibs pra adoçar a vida.
É muito bom participar de um evento voltado ao público feminino, pensado em todos os detalhes sobre o que nos agrada. E a mulherada esta interessadíssima nesses temas, porque o local estava lotado.
Fiquei muito satisfeita por ter participado, saindo da zona de conforto. Pelas amigas que fiz, por produtos e serviços que conheci e pelo que aprendi nas exposições. Com certeza estarei na próxima edição.
P.S.: aconteceu no Teatro do Ciee. Não conhecia ainda. Ótima estrutura e muito bonito.

Restaurant del Ferrocarril

Minha última dica gastronômica de Colonia del Sacramento é o restaurante do Museo del Ferrocarril, onde você tem a sua refeição em um vagão de trem.

É possível escolher pratos à la carte ou optar pelo combo do dia, composto de prato principal, refrigerante ou vinho e sobremesa.

O valor do combo é 400 pesos, e não há cobrança pelo serviço (muito bom, aliás).
A comida é boa e o lugar é uma graça. Ótima escolha para se comer bem a um custo bem razoável.