#Girlboss

Não tenho uma predileção por biografias; mas gostei muito do livro #Girlboss, da Sophia Amoruso.


Já faz um tempo que esse livro está rolando por aí, e em uma época vi muita gente postando que estava lendo. Aí já fico meio desconfiada se vai me agradar… vide 50 tons de cinza – que não li, não vi. Fora que sempre tenho muita coisa pra ler…

Além disso, acredito que a leitura tem que fechar com o teu momento. Acho que agora estou num momento #girlboss…

Gostei do livro porque conta a história de alguém que não se enquadrava no sistema e que venceu no sistema mantendo a sua personalidade. Porque ela fez as coisas à sua maneira. 

Esclarecendo: ela é CEO do site de venda de roupas e acessórios on line Nasty Gal. E nesse livro ela conta a sua história pessoal e trajetória profissional.

Ainda, a história de Sophia Amoruso me prova que aquilo em que acredito – excelência no que se for fazer + descobrir o que você foi talhado pra fazer – te levam a dar certo.

Também achei bacana a generosidade da autora, que abriu espaço pra outras #girlbosses darem depoimentos.

Enfim, vale a pena.

Agora já estou querendo ler o próximo livro dela, Nasty Galaxy, que visualmente já faz os olhinhos brilharem – mas está quase R$ 100 pilas, e tenho uma pilha imensa de livros na frente pra ler.

O que estamos fazendo das nossas experiências?

Dia desses estava em Maceió e fomos jantar em um restaurante próximo do hotel.

Como íamos a pé, deixei bolsa e celular e tudo no hotel, acostumada com a violência urbana de Porto Alegre.

E aí veio aquele prato lindo e fantástico com camarões imensos e brilhantes. E o garçom ficou esperando pra servir. E nada. E dali a pouco ele perguntou se não íamos fazer foto do prato. E ninguém estava com celular, e ok.

Mas eu fiquei pensando nesse negócio. 

Hoje registramos e postamos e compartilhamos praticamente tudo o que nos acontece. Não apenas experienciamos mais as coisas.

E não estou me excluindo. Sou uma adepta ferrenha do Instagram.

Porém, fiquei me lembrando de coisas que vivi e que não têm registro e que nunca vou esquecer.

Nunca vou esquecer o senhor da loja do mercado em Jerusalém, que me vendeu um colar de 250 dólares por 50, de tanto que eu tinha amado aquela peça linda. E não vou esquecê-lo por causa das circunstâncias. Não foi uma barganha. Ele viu o quanto tinha gostado, me perguntou do que eu tinha gostado, perguntei o preço do colar, ele disse, eu disse que não era pra mim, ele me perguntou quanto eu podia gastar, eu repeti que não era pra mim, que só poderia gastar 50 dólares, e perguntei o que tinha por esse preço. E ele disse que queria que eu ficasse com o colar. Ele não só me enxergou, ele me viu.

Não vou me esquecer da Maria, a senhora que limpava um banheiro público em Amalfi. Eu traduzi pra ela, pro italiano, o que umas gurias, americanas, acho, estavam precisando. E ela ficou um tempão conversando comigo, contando coisas da cidade, da vida em Amalfi.

Não vou esquecer a vendedora de lenços de seda do mercado do porcellino, ou do garçom do Il David, ambos em Firenze, porque não acreditavam que eu não era uma legítima cidadã de Firenze.

Não vou esquecer do garçom do bar do hotel em Veneza, que veio me perguntar se eu tinha trocado de lugar porque tinha ficado constrangida porque ele estava me olhando – e eu tinha trocado de lugar pra um dos meus amigos ficar de frente pro telão e assistir ao futebol. E era uma pessoa educadíssima, que ficou conversando conosco um tempão.

Não vou esquecer a noite que passei no acampamento beduíno no deserto em Israel. Eu e Deus e milhares de estrelas pontilhando o céu no meio do deserto, com trilha sonora do Diante do Trono.

Não vou esquecer do rapaz que nos ajudou a comprar manteiga com sal no supermercado em Paris. Não vou esquecer o supermercado em Paris. Não vou esquecer o apartamento em Paris.

Jamais esquecerei a Maria José e família, no restaurante de quem passamos o Natal em Lisboa e com quem ainda temos contato. Ou o pequeno João Grande, nosso concierge no hotel, que preparou com todo carinho um café da manhã improvisado pra eu e a Tâmim não seguirmos viagem sem café.

Não esquecerei o guarda do Vaticano que veio me devolver o brinco que caiu quando passei no raio X da entrada da Basílica de São Pedro.

Nem do garçom do restaurante ao lado do nosso hotel em Roma, que socorreu a mim e à minha mãe com uma garrafa de água quando chegamos às 11 da noite pra fazer o check in em um hotel que não oferece nem café da manhã nem conveniências – mas que eu amo, o Panda. E ele nem quis cobrar pela água.

Não vou esquecer a nossa casa em Colonia del Sacramento. Não vou esquecer Colonia del Sacramento.

Não vou esquecer a reação da minha família nas catacumbas de Paris. E nem a frase do meu pai: “quando pensei que ia viver isso”.

Nada disso tem registro. Mas ficou registrado em mim.

Por mais momentos que sejam experiências que fiquem registradas na alma e no coração e que sejam tão extraordinárias que não nos deem tempo nem oportunidade pra nos preocuparmos de registrar de outra forma.

Cozinha de Estilo

O trabalho das gurias da Oficina de Estilo, Cristina Zanetti e Fernanda Resende, é muito bacana. Elas são pioneiras em consultoria de estilo, e também promovem o compartilhamento de ideias em seu site e nas redes sociais.

O que eu gosto é que elas promovem a valorização do individual e do autêntico na consultoria de estilo, bem como o artesanal e único nas marcas sobre as quais falam – embora elas não exaltem o consumismo, não. Seu Instagram é sempre inspirador. @oficinadeestilo

E aí esses dias elas falaram de um projeto que rolou em 2008 com a Rita Lobo, a culinarista ex-modelo que ensina todo mundo a cozinhar com seus livros, o site Panelinha e o programa Cozinha Prática, do GNT.

Trata-se de um e-book em que se fala dos diferentes estilos pessoais (clássico, moderno, sexy, romântico…) e as receitas gastronômicas que são mais adequadas para cada um desses estilos. Muito, muito legal!!! E as receitas parecem ser deliciosas (já separei umas duas ou três pra testar).

  
 
Está acessível para todos, via site da Oficina de Estilo, que te direciona para o Panelinha. Vale muito a pena explorar os dois (aliás, no Panelinha há outros e-books pra baixar).

Eu, que nem gosto de um livro, não preciso dizer que fiquei maravilhada em ter acesso a um material de tanta qualidade de forma totalmente gratuita. Une estilo, moda, gastronomia, savoir vivre e leitura. Tudo de bom!!!

Twinings de camomila, hortelã e capim limão

Tenho instamigos que só conheço virtualmente. E foi uma de minhas amigas virtuais, a Marjie, que me deixou com água na boca ao postar essa foto:

Vai dizer que essa foto não dá um ar de aconchego, de acalanto? Vai dizer que não dá vontade de ir correndo preparar um chá?
Sempre fui do chá, e agora ando numa fase de bebericar uma chávena antes de dormir, enquanto leio. Já virou uma espécie de ritual. É uma boa forma de me acalmar da pressão e loucura do dia.

Demorei um tempo pra encontrá-lo, mas agora já chegou no Zaffari.
Essa é a minha foto:

Não chega nem perto da outra (kkkk), mas pelo horário em que foi tirada, dá pra dizer que está excelente (kkkk).
É uma delícia essa misturinha de camomila, hortelã e capim limão. Já entrou para os meus favoritos, junto com o de limão e o de hortelã pura.
Obrigada, amiga!!!

Sylvia Dreher Jóias Assinadas

Nem sei como acabei conhecendo a Sylvia. Foi em uma das minhas furungações na internet. E nos tornamos amigas virtuais.

Foi assim que conheci o seu trabalho como joalheira.
E amei as pulseiras em que você pode gravar a(s) sua(s) palavra(s) favoritas ou mais significativas. Se bem me recordo, essa coleção é a Parole.
  

A minha escolha foi parte de um dos meus versículos bíblicos preferidos: “não temas”; e eu sempre completo mentalmente: “crê somente”. Me ajuda a lembrar do cuidado diário e amoroso de Deus em meio à correria diária.
E a minha pulseira veio numa embalagem linda, com um cartão manuscrito muito querido:

Meu objeto de desejo (e será minha próxima aquisição) é esse anel lindo:

Pra quem se interessar, o Insta dela é @sylviadreher ; onde a Sylvia posta fotos lindas de Bento Gonçalves, sua cidade, e seu cotidiano, além de suas lindas jóias.

E o site é http://www.sylviadreher.blogspot.com.br , onde, aliás, é possível conferir a trajetória dessa mulher incrível que deu uma guinada na vida aos 50 anos, quando passou a se dedicar à joalheria.

Curti muito isso que a internet nos proporciona: a chance de conhecermos pessoas extraordinárias, com as quais seria difícil cruzarmos nosso caminho de outra forma.
Aliás, se você se interessar por qualquer das peças da Sylvia, é justamente a internet que viabiliza a aquisição: acertamos tudo por Instagram e WhatsApp.

Companhia do Viajante

Faz um tempão que estou por escrever sobre a minha agência de viagens do coração, a Cia. do Viajante.

Quando decidi que queria viajar pra República Dominicana vi que ia precisar de ajuda profissional, porque queria ir pra mais de uma cidade e tinha que acertar vôos, transfers, hotéis e outros detalhes que surgem e estava sem tempo nenhum pra isso.
Pesquisando na internet descobri o site da agência. Amei o lay out e fiz contato por e-mail.
A Greice, a proprietária, logo me respondeu e começamos a esboçar o que seria a viagem, com diferentes opções de datas, de hotéis (com link para os sites) e arranjos de destinos.
Em poucos dias estávamos com tudo fechado. Fizemos tudo pela internet.
Detalhe: a agência não fica na minha cidade, mas em uma próxima.
E dali a pouco recebi um envelope da Cia. com prospectos de todos os destinos que iria visitar e um bilhetinho fofo… Amei!!!!

E quando chegaram os vouchers a Greice veio pessoalmente no meu escritório entregar tudo e conversar comigo. Tudo separadinho e identificado.

Outra coisa que pra mim foi fundamental e fantástica: a disponibilidade da agência durante a viagem. A Greice se manteve em contato durante todo o tempo.

E ainda fizemos pesquisa de satisfação, não só da agência como também dos serviços no exterior, após o meu retorno.

Enfim, essa questão sempre foi um perrengue pra mim e agora está resolvida. Fiquei plenamente satisfeita.

Não importa o tipo de viagem. Se sozinho, se em grupo, se você está sozinho e quer se juntar a um grupo, nacional ou para o exterior; se você está precisando de uma agência, certamente a Greice pode te ajudar a fazer a viagem dos sonhos.

A Cia. do Viajante está no Face (Companhia do Viajante) e no Instagram (@ciadoviajante) e o site é http://www.ciadoviajante.com.br .

Medvet Clínica Veterinária – Caxias do Sul

Essa foi uma semana muito difícil pra nós. Perdemos a Mica, nossa gatinha amada, que foi nossa companheirinha fiel por 15 anos.

Ela teve alguns tumores de mama e câncer de pulmão.
Enfim, em verdade contei isso porque quero tanto agradecer quanto indicar a clínica que atendeu a nossa gatinha: a Medvet Clínica Veterinária, de Caxias do Sul.
A Dra. Rebeca Goldstein e sua mãe, Monica Goldstein, foram muito dedicadas e carinhosas com a Mica. E incansáveis.
Ela fez três cirurgias ao longo de alguns meses, e a clínica é bem preparada pra isso.
Também teve que ficar internada e fazer soro em diversos períodos, e igualmente recebeu todo atendimento na clínica. Inclusive à noite e em finais de semana.
E quando ela faleceu a clínica cuidou de tudo.
Para nós tudo isso fez muita diferença, porque vimos que nossa gatinha foi bem tratada e cuidada.
Por tudo isso super indicamos a clínica. Quem tem um bichinho que é praticamente membro da família sabe como é preocupante saber como ele será tratado quando longe dessa família.
O ambiente é clean, bonito e agradável. E os preços são justos.
A clínica fica na Rua 7 de Setembro, 111, Bairro Rio Branco, fone 54 3025-1012.